A Coluna Financeira é um site dinâmico e sem enrolação, com foco em cartões de crédito, financiamentos, empréstimos e programas sociais.

Deu na Record: Antigos funcionários de Gal Costa estão cobrando R$ 1 milhão na Justiça

Luciana de Souza e Ed Wilson, que já foram funcionários da renomada cantora Gal Costa, estão movendo uma ação judicial que reivindica mais de R$ 1,1 milhão relacionados a direitos trabalhistas. Segundo o casal, eles foram submetidos a condições de trabalho inadequadas durante os anos de serviço prestados na residência da artista.

Dentre as adversidades listadas pelo casal, estão a prolongada ausência de férias remuneradas e longos períodos sem intervalos para alimentação. As duras circunstâncias pelas quais passaram foram detalhadas em uma entrevista concedida ao programa Domingo Espetacular.

Quais eram as condições de trabalho na casa de Gal Costa?

Segundo Luciana, suas responsabilidades incluíam uma vasta gama de tarefas domésticas, desde limpar e lavar até cuidar dos animais de estimação e do filho da cantora. “O que mais me incomodava era o atraso nos pagamentos. Gal esquecia frequentemente de pagar, e quando fazia, parte era em dinheiro vivo e outra em cheque”, explicou Luciana, elucidando sobre as irregularidades nos pagamentos.

assets fotos 592 150676

Qual era o arranjo financeiro entre os empregados e Gal Costa?

O arranjo financeiro inicial acordado era de um salário mensal de R$ 2 mil registrado formalmente. Entretanto, outras quantias seriam pagas informalmente, cujos pagamentos raramente ocorriam conforme o combinado. Luciana relata que, em certo ponto, acumulou quase um ano sem receber seu salário completo. “O acordo inicial não foi respeitado, e com o tempo, isso começou a nos afetar severamente”, lamentou.

Como eram feitos os pagamentos e qual foi o conflito resultante?

Além dos relatos de atrasos, outro problema destacado foi a forma como os pagamentos eram efetuados. Luciana menciona que Wilma, viúva de Gal Costa e também citada no processo, utilizava depósitos via envelope, que mais tarde eram retirados da conta, criando uma ilusão de pagamento efetuado, mas que na prática não se concretizava. Em um áudio reproduzido durante a entrevista, é possível perceber a tensão no relacionamento entre empregados e empregadores. Luciana protesta sobre as demandas excessivas e a falta de comida, enquanto cumpria jornadas extenuantes.

Quais foram as repercussões emocionais e físicas enfrentadas pelos empregados?

“A situação chegou a um ponto insustentável quando percebemos que estávamos lidando com constante negligência e falta de respeito, não apenas profissional, mas também pessoal”, disse Luciana. “Era humilhante sentir fome e ver a comida que não podíamos comer”, completou, detalhando o quão desafiador era seguir com o trabalho sob tais condições. Ed, por sua vez, estava contratado inicialmente apenas para faxinas, porém, com o tempo, suas obrigações se expandiram, e seu salário acabou sendo compartilhado com sua esposa, evidenciando a precariedade da situação financeira do casal sob o emprego de Gal Costa.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.